Comitiva da Coreia do Sul visita Unisinos para reuniões

Encontro vai tratar das oportunidades da parceria entre o país asiático e a universidade

 

fotoAté o dia 24 de novembro, estarão em solo gaúcho representantes de 17 empresas sul-coreanas. A delegação faz parte da Korea International Trade Association (Kita), maior organização de negócios da Coreia, com mais de 71 mil companhias associadas. Estão previstas na programação visitas a empresas e reuniões com autoridades locais, com foco nas oportunidades que podem surgir da parceria entre o Rio Grande do Sul e o país asiático.
 
A primeira parada acontece em Caxias do Sul, onde a comitiva vai conhecer algumas empresas, dentre elas a Marcopolo, uma das maiores fabricantes de ônibus do mundo. No dia 23, realizam encontro na Fiergs (Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul) sobre possíveis oportunidades e, após, acontece encontro com empresários locais com rodadas de negócios. Dentre os produtos de interesse da Kita estão químicos, automotivo, grãos, borrachas, alumínio, energias e construção civil. 
 
fotoÀ tarde, a delegação sul-coreana foi ao campus da Unisinos em São Leopoldo. A recepção acontece na sala do Conselho Universitário, onde o reitor da universidade, padre Marcelo Fernandes de Aquino (foto), recebe o grupo de empresários, representados pelo vice-presidente executivo da Kita, Hyun-ho Ahn (foto 2). Após, ocorre visita às obras das novas instalações da joint venture HT Micron, aos institutos tecnológicos e ao Parque Tecnológico de São Leopoldo – Tecnosinos.
 
Para o diretor de desenvolvimento e expansão da Unisinos, Cristiano Richter, a presença da comitiva representa mais um passo no caminho que o Rio Grande do Sul está dando para se tornar um parceiro estratégico da Coreia do Sul. “Um case de sucesso é a HT Micron, motivada pelo potencial de mercado e ambiente local favorável à inovação. O exemplo da HT pode servir para promoção de novas joint ventures entre gaúchos e sul-coreanos, que têm sido líderes em tecnologias importantes para a economia de nosso estado.” Richter considera que a universidade tem papel fundamental nessa relação, promovendo recursos humanos qualificados, pesquisa aplicada e prestação de serviços tecnológicos.