Refugiados ganham educação na Jordânia

JRS já ajudou na formação de mais de 3 mil alunos no país

 

foto

Situado em um bairro tranquilo no topo de uma colina, seria fácil confundir Ashrafiyeh como apenas outra escola na zona leste de Amã. Mas poucos dos alunos partilham uma língua comum, ou tradições religiosas e culturais. A maioria foi forçada a fugir de conflitos e sobreviver à margem da sociedade. E os professores da escola, do JRS (Serviço Jesuíta aos Refugiados) na Jordânia, dão todo apoio necessário para essas crianças.

“Nós não queremos que os professores apenas lecionem e deixem. Primeiro temos que realmente conhecer e respeitar os alunos e, depois, ensinar-lhes. Acompanhamento vem em primeiro lugar”, disse Falah Matti, um refugiado iraquiano e diretor da escola. O local é baseado em uma escola católica grega, que funciona como uma escola pública durante as manhãs. Desde 2009, o JRS tem realizado cursos no colégio. Quatro dias por semana, ônibus trazem refugiados e estudantes locais de toda a cidade para a escola.

A equipe tem 30 professores voluntários. Eles ensinam idioma Inglês e conhecimentos de informática. Como muitos dos professores são refugiados, eles são proibidos de realizar trabalho remunerado.

Nos últimos três anos o número de alunos aumentou de 35 refugiados iraquianos para 600 alunos, a maioria mulheres, a partir de uma grande variedade de países, incluindo o Iraque, Jordânia, Síria, Somália e Sudão. Em três anos, mais de 3.000 alunos concluíram com êxito os cursos e se formou na escola.

A rápida expansão da escola é um sinal claro não apenas da demanda por educação, mas de sucesso. Muitas escolas oferecem cursos de formação profissional, mas eles são caros e sem quaisquer garantias de qualidade. “Nós temos uma boa reputação. O número de alunos tem aumentado sem qualquer anúncio”, disse o Sr. Matti.