Auschwitz: apelo dos jovens europeus pela paz

Peregrinação serviu para reflexões sobre a violência

 

foto
 
“Se nos nossos países se respira medo, nós, ao invés estamos cheios de esperança”. Com essas palavras mais de 1.500 jovens europeus lançaram um apelo de paz aos jovens de todo o mundo. Três dias de trabalhos, organizados pela Comunidade romana de Santo Egídio, que tiveram o seu ápice com a peregrinação a Auschwitz—Birkenau. 
 
De fato, concluiu-se no último sábado com um apelo à paz, lançado a partir do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, a terceira edição do encontro internacional de “Jovens europeus por um mundo sem violência” organizado pela Comunidade romana de Santo Egídio.
 
Mil e quinhentos jovens refletiram ao longo de três dias sobre a questão da violência no mundo. Ponto culminante do encontro foi a peregrinação a Aushwitz, onde os jovens num silêncio surpreendente e emocionante, detiveram-se em frente das lápides que recordam as vítimas desse calvário do século XX. Pouco antes, oito deles tinham depositado duas coroas de flores: uma perante a lápide memorial das vítimas hebraicas e outra em recordação das vítimas ciganas. Calcula-se que tenham sido levados para o campo de Auschwitz-Birkenau um milhão e trezentos mil deportados, um milhão e cem mil dos quais foram mortos. 
 
O cortejo dos jovens atravessou, na parte da tarde, o tristemente famoso arco da torre do guarda e dirigiu-se, ao som do Requiem para Auschwits de Pedderecki, às linhas de ferro da última estação dos numerosos comboios de homens, mulheres, jovens, crianças e velhos levados como bestas para esse campo de morte. Na parte da manhã, os jovens tinham visitado o museu do campo, tomando assim conhecimento de aspectos da vida quotidiana dos prisioneiros.
 
Os três dias de trabalho dos jovens contaram também com um encontro com o Arcebispo de Cracóvia, no Santuário da Divina Misericórdia. Recordando a figura de João Paulo II e de Santa Faustina, o Cardeal Estanislau Dziwisz disse-lhes que a luz de Cristo irradia no mundo, graças a testemunhos corajosos. No apelo final do encontro, os jovens dizem “Não” ao anti-semitismo, a todas as formas de racismo, coisas que confundem a mente e abrem caminho para a barbárie.
 
Fonte: Rádio Vaticana