Entrevista com o padre provincial da Colômbia

Francisco de Roux refletiu sobre o meio ambiente

 

foto1O padre jesuíta Francisco de Roux (fotos), provincial da Companhia de Jesus na Colômbia, participou do primeiro aniversário do Movimento Cívico da Cidadania Colombiana, e concedeu entrevista para a Província da Colômbia, em que ele faz uma profunda reflexão sobre a relação do homem com os outros e com a natureza. Ele também analisa o modelo econômico das nações e como isso afeta o planeta como um todo.
 
Província: Por que o senhor acompanhou os protestos das pessoas que se opõem às multinacionais que pretendem realizar seus projetos ambiciosos de extração de minério no deserto de Santurbán?
 
Roux: A luta que está ocorrendo aqui em Bucaramanga em torno da defesa do Paramo de Santurbán é uma expressão de confronto contra um tipo de desenvolvimento que vai acabar por destruir a sociedade local. Estou convencido de que é perfeitamente possível reorganizar a economia e garantir a satisfação da população de uma maneira diferente ao que é feito hoje. A economia, como está sendo executada neste momento está gerando desemprego e grandes riscos com a extração de recursos naturais não renováveis e destruição de energias renováveis. O que será deixado para as gerações futuras? E para nós, jesuítas, que veem em seres humanos e na natureza a obra de Deus, a proteção do homem e da conservação da natureza são realidades muito importantes.
 
É como o senador George E. Robledo disse, que as empresas multinacionais querem levar o ouro e deixa o buraco?
 
Na verdade já estamos sofrendo de alguma forma. A reavaliação do peso colombiano está ocorrendo de forma desproporcionada. Agora o dólar está mais ou menos 1.750 pesos, causando uma situação muito difícil para os nossos exportadores, tornando o custo de vida muito caro na Colômbia. Bogotá, por exemplo, hoje tem o custo de vida mais elevado que de Miami e Chicago, por exemplo. É uma das cidades mais caras do mundo, com a revalorização do peso e é precisamente devido ao influxo de dólares de investimento internacional por trás das reservas naturais da Colômbia, principalmente em petróleo e mineração. A única maneira de lidar com uma moeda em tal situação é reavaliar com base na entrega de recursos naturais que nos permitem grandes fluxos de dólares.
 
foto2Eu o ouvi dizer, há alguns anos em Barrancabermeja, que “as comunidades sabem que a paz é obtida de acordo com o tipo de desenvolvimento que é realizado”. Traduza essa expressão.
 
O Papa Paulo VI na sua encíclica “O desenvolvimento dos povos”, cunhou a frase: “Desenvolvimento é o novo nome da paz”. Se você acredita que o desenvolvimento é ter mais toneladas de ouro por ano para obter mais barris de petróleo ou mais toneladas de óleo de palma, entre outros, com métodos de produção que são de capital intensivo, o desenvolvimento da Colômbia se torna muito difícil e o país não vai conseguir criar condições de igualdade. A Colômbia, depois do Haiti, é o país com a maior desigualdade da América do Sul, de acordo com o coeficiente Gini (utilizado para medir a desigualdade de renda e riqueza). Mas se você fizer um desenvolvimento para a proteção da natureza, ocupação produtiva do território pelo seu próprio povo, é possível ter um tipo de desenvolvimento que garanta a qualidade, eficiência no sentido de menor custo ambiental e que pode ser articulado em um mercado global.
 
O presidente da Ecopetrol sabe que se não mostrar na próxima reunião que no ano passado alcançaram pelo menos 25% de aumento dos lucros, os acionistas virarão as costas. Muitos deles são colombianos e outros não. Entre outras coisas, eu acho que vai passar para esse nível, porque você não teve que enfrentar a queda dos preços do petróleo que começou neste ano.
 
Em todos os seus discursos e sermões eu encontrei a palavra dignidade. Sem dignidade não há nada a se fazer?
 
O que quero dizer para falar sobre dignidade? Uma consciência que todos temos do que eles valem: cada mulher e cada homem, que é um valor que não recebem do Estado, nem recebem dos partidos políticos, nem mesmo das igrejas. É um valor que temos apenas porque eles são humanos e que a partir do momento em que deixar de respeitar esse valor, uma sociedade não é mais justa.
 
Onde “somos todos iguais”?
 
Emmanuel Kant, por exemplo, afirma claramente que nenhuma pessoa pode ser utilizada por outra para uma finalidade que o outro não quer, porque cada ser humano é um fim em si mesmo. Para o Cristianismo todos nós compartilhamos e carregamos em nossas almas o que acreditamos que cada ser humano foi escolhido por Deus, sempre, com gravidade infinita, para uma aventura única de Deus com essa pessoa , por puro amor de Deus e para que isto não acabe nunca, que não termina com a morte. E se cada ser humano é tão importante para Deus e é o objeto do amor infinito, o respeito que devemos a todos é imenso. Além disso, a seriedade com que Deus trata cada um de nós é independente do dinheiro que temos, a cor da pele, o país onde estamos, a religião que professamos, se temos ou não diploma universitário. Essas coisas não têm nada a ver com a dignidade humana.
 
foto3O professor e colunista do The Spectator, Alvaro Camacho Guizado, disse que você e o padre Javier Giraldo (defensor dos direitos humanos em Urabá), estão vivendo um milagre. Eu pergunto, Deus existe?
 
Nos anos 70 houve uma teologia que é chamada de “Desde a morte de Deus” e eu lembro de uma capa da revista Time que disse: Deus está morto. A revista trazia uma entrevista com o bispo Robinson, que escreveu um livro chamado “Juro por Deus”. O repórter disse: “O que você acha? As pessoas estão dizendo que Deus está morto”. E Robinson respondeu: “Bem, parece muito estranho, porque eu fui falar com ele esta manhã”. A questão da existência de Deus muitas vezes vem de não entender o que queremos dizer quando falamos de Deus. O mistério da vida, a beleza das florestas, a grandeza da dignidade humana, que os seres humanos vivem nos gestos que nos movem profundamente na vida, um ato de nobreza, um gesto de perdão, a força de espírito entre nós… tudo isso é uma manifestação de um mistério de amor que nos torna tudo o que somos. 
 
Os crentes estão se referindo a este mistério e estamos convencidos pela experiência que a vida leva-nos todos os dias para sentir a profundidade da grandeza da vida humana, que por trás de tudo isso é um mistério de amor. Não somos apenas um acaso aleatório. E isso é vivido em silêncio, é experimentado em oração. O resultado do raciocínio lógico nem sempre pode ser a conclusão, a fé não é equação matemática.
 
Fonte: Jesuítas Colômbia e Cúria Romana.